• Imagem cabeçalho site do MPE

Produções Técnica Tecnológica (PT/T) de Destaque

Cartilha Educativa: PREVENÇÃO À VIOLÊNCIA NO NAMORO: CARTILHA INSTRUCIONAL PARA OS ADOLESCENTES

Autores da PT/T: GREICE KELY OLIVEIRA DE SOUZA (Egressa); Sinara de Lima Souza, (Orientadora e Docente do MPE-UEFS); Rosely Cabral de Carvalho e Maria Lúcia Silva Servo (Docentes do MPE-UEFS); Alba Benemérita Alves Vilela (Participante Externo ao Programa – Universidade Estadual do Oeste da Bahia), Leonardo Nunes da Silva (Participante Externo ao Programa: Universidade Estadual de Feira de Santana – UEFS). Trata-se de uma cartilha elaborada durante a coleta de dados de uma pesquisa do MPE-UEFS, intitulada “Representações sociais dxs adolescentes acerca da violência nas relações de intimidade”, em parceria com os adolescentes de uma Escola Pública Municipal, com objetivo de contribuir para a prevenção da violência nas relações de namoro dos adolescentes, com vistas a promoção de relacionamentos saudáveis. A cartilha tem por finalidade disseminar informações para prevenção de relacionamentos saudáveis entre os adolescentes escolares do município de Feira de Santana-Ba. A construção conjunta desse material possibilitou o repensar os sentidos e significados da violência nas relações de intimidade e seus impactos sociais e culturais para a vida e sociedade.  Referencial teórico e/ou metodológico que embasou esse material didático durante a coleta de dados foi realizada através de rodas de conversas e a confecção da cartilha. O instrumento fornece informações no sentido de promover relações saudáveis entre os adolescentes, apresenta-se com os 10 passos para um #namorofeliz. Os adolescentes tiveram uma participação ativa na confecção do conteúdo da cartilha, bem como a participação de outros membros envolvidos na pesquisa, dessa forma, foi possível utilizar uma linguagem acessível ao público em questão. A externalização do conhecimento gerado contribuindo com a sociedade é a garantia da representatividade e participação nas transformações sociais, no fortalecimento do ensino, da pesquisa e na extensão universitária. A elaboração desta tecnologia propiciou uma experiência relevante para as pesquisadoras e para os adolescentes, demonstrando que de forma lúdica pode-se passar informações seguras, com fontes confiáveis e embasamento científico. A relevância e impacto para a Área da Enfermagem e o desenvolvimento científico, tecnológico, cultural, social e/ou de inovação desse material justifica-se pelo fenômeno estudado da violência no namoro onde adolescentes que perpetuam, naturalizam ou presenciam relacionamentos abusivos e desagradáveis, demonstrando que pode ser preditor de relações violentas futuras. Trabalhos educativos realizados na forma de cartilha são de suma importância para a educação em saúde de grupos populacionais específicos, principalmente adolescentes, pois muitas vezes, não buscam informações por constrangimento, vergonha, ou até mesmo pela cultura da violência tão intrínseca. Além disso, o produto tecnológico poderá ser utilizado como material educativo para profissionais de saúde e educação ao abordarem o tema. A cartilha apresenta uma grande relevância social pois consegue intervir em um problema de saúde pública atuando em uma idade que o problema ainda não está instalado, podendo promover fatores protetores e de desenvolvimento saudável. Ressalta-se que esse material produto técnico científico, possibilitou em 2019 e 2020, também a autoria de 1 artigo científico e 1 capítulo de livro. Com vistas a aprofundar o objeto de estudo, ao término do mestrado profissional a mestra Greice Kely Oliveira de Souza ingressou em 2021, no Doutorado Acadêmico do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva da UEFS, com o projeto“ Violência nas relações de intimidade dos adolescentes e a interação familiar” e sua orientadora Sinara de Lima Souza ingressou no Pós Doutorado do Programa de Pós-Graduação Família na Sociedade Contemporânea (Mestrado e Doutorado) da Universidade Católica do Salvador, Bahia, com o Plano de trabalho “A influência das relações familiares na vulnerabilidade de adolescentes e jovens às violências nas relações de intimidade”.

BAIXAR ARQUIVO

 

Cartilha Educativa CUIDANDO DA MALOCA: ORIENTAÇÕES SOBRE A COVID-19 PARA PESSOAS EM SITUAÇÃO DE RUA

 

Autores da PT/T: Keila Cristina Costa Barros (Egressa); Rita de Cássia Rocha Moreira (Orientadora e Docente do MPE-UEFS); Tânia Christiane Ferreira Bispo (Participante Externo-Universidade do Estado da Bahia-UNEB); Carlos Cesar Barros (Participante Externo-Universidade Estadual de Feira de Santana-UEFS); Maria Salete de Souza Nery e Matheus de Oliveira Barros (Participantes Externos - Universidade Federal do Recôncavo da Bahia-UFRB); Ingredy Nayara Chiacchio Silva, Edcarlos Venâncio Cerqueira, Diane Carla Silva Cordeiro de Almeida (Participantes Externos- Projeto social Cuidando da Maloca/Movimento Nacional da População de Rua núcleo Feira de Santana MNPR/FSA); Carmelita de Jesus Santos Filha, Renildo da Silva Santos, Matheus Rios Silva Santos, Josenilson dos Santos (Participantes Externos - Projeto social Cuidando da Maloca/Movimento Nacional (Participante Externo do Movimento Nacional da População de Rua núcleo Feira de Santana MNPR/FSA); Jussara Silva de Araújo e Márcio da Silva (Participantes Externos -Programa: Pessoa com trajetória de Rua). Esta cartilha se configura também, como um produto oriundo da dissertação do Programa de Pós-Graduação do Mestrado Profissional em Enfermagem da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS), intitulada “Mulheres que gestam nas ruas e suas vivências de cuidado: estudo à luz da fenomenologia heideggeriana”, defendida em 2019. Este material didático ofereceu a possibilidade de contribuir nesse contexto de pandemia, através de desenhos, com escrita coloquial, de fácil entendimento, que se aproxima da linguagem falada pelas pessoas em situação de rua. Essas orientações já vêm sendo realizadas pelo Projeto Cuidando da Maloca, que objetiva o desenvolvimento de cuidados de enfermagem, comprometendo-se em realizar a escuta dessa população, em suas necessidades assistenciais, e que podem ser atendidas no momento dessa escuta, referenciando-as ou encaminhando para outras especialidades, quando for necessário. OBJETIVOS construir uma cartilha informativa para as pessoas em situação de rua, com desenhos e escrita coloquial de fácil entendimento, assim como orientações de prevenção e promoção a saúde sobre a COVID19. METODOLOGIA: em sua composição, uma apresentação contendo objetivo e descrição do programa Cuidando da Maloca e dos colaboradores. As orientações em saúde foram apresentadas em história de quadrinho, com dois personagens em situação de rua que dialogam e trocam informações que receberam do Projeto Cuidando da Maloca sobre a COVID-19. As falas versaram sobre os sintomas, o que é a doença, necessidade de cuidados para a prevenção, importância de procurar serviços de saúde quando apresentar sinais e sintomas de agravo e apresentação dos locais que podem procurar em casos de sintomas mais graves. No final da cartilha foram registrados os serviços da rede municipal de Feira de Santana - BA, que atuam com as pessoas em situação de rua e sobre os serviços de saúde disponível para atendimento da COVID-19 com disponibilização de endereços e telefones. A cartilha apresenta uma grande relevância social e cultural por ter a parceria de vários movimentos que representam essa população, assim como ter como protagonistas pessoas em situação da rua e abordar o impacto da pandemia nessa população. Ressalta-se que esse material produto técnico científico, possibilitou em 2020 também a autoria de 3 artigos científicos.  Com vistas a aprofundar o objeto de estudo, ao término do mestrado profissional a mestra Keila Cristina Costa Barros ingressou em 2021, no Doutorado Acadêmico do Programa de Pós-Graduação em Enfermagem e Saúde, da Escola de Enfermagem, da Universidade Federal da Bahia, com o projeto Maternidade e Maternagem em situação de rua: estudo qualitativo de cunho etnográfico na perspectiva da saúde.  

 

BAIXAR ARQUIVO

 

Cartilha Educativa COMUNICAÇÃO EFETIVA PARA SEGURANÇA DOS PACIENTES E BOAS PRÁTICAS DE COMUNICAÇÃO NA TERAPIA INTENSIVA

Autores da PT/T: REJANE SANTOS BARRETO (Egressa) e Maria Lúcia Servo (Orientadora e Docente do MPE-UEFS)
 
Trata-se de uma produção técnica, oriundas da pesquisa de dissertação e consiste em retorno social do Mestrado Profissional em Enfermagem para os serviços de saúde aos quais se vincula enquanto cenários de pesquisa/intervenção revelando o processo de co-construção. É importante destacar que a cartilha elaborada se constitui em um instrumento a ser utilizado continuamente, devendo ser incorporada a programação de educação permanente em saúde das instituições que adotarem esse material.  Segurança do paciente é um componente primordial da qualidade assistencial em todo o mundo, e é delineada por diferentes fatores, que vão desde processos institucionais à conscientização coletiva de grupos de indivíduos que ocupam a linha de frente do cuidado crítico nas organizações em saúde. A unidade de terapia intensiva é lócus privilegiado por tecnologias duras e dinamismo de condutas, capazes de salvar vidas, um ambiente complexo de cuidados, que demanda alto grau de conhecimento técnico e científico, decisões assertivas, gestão de risco, comunicação efetiva, trabalho em equipe e considerações à individualidade do paciente. Neste cenário a segurança do paciente relaciona-se aos modos de saber e fazer na itinerância pelo cuidado intensivo, que perpassa por relações diretas com o processo de trabalho, relações humanas, subjetividades, valores sociais e uma relação fragilizada no que tange às tecnologias das interrelações. O impacto cientifico, cultural e social dos resultados, reflete-se nas práticas profissionais de atuação de forma crítica e reflexiva na operacionalização da gestão de risco e do cuidado assertivo, prevenção de danos na terapêutica intravenosa, identificação correta do paciente, comunicação assertiva, visita multidisciplinar oportunizando alinhamento de condutas e cientificidade, interrelações respeitosas entre a equipe multiprofissional, engajamento da família, motivação, alegria e significado pelo trabalho.
Ressalta-se que esse material produto técnico científico, possibilitou em 2020 também a autoria de 1 artigo científico, 3 capítulos de livro. Com vistas a aprofundar o objeto de estudo, ao término do mestrado profissional a mestra Rejane Santos Barreto ingressou em 2021, no Doutorado Acadêmico do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva, da Universidade Estadual de Feira de Santana, com o projeto Segurança do Paciente na Atenção Primária à Saúde: Representações Sociais de Gestores, Profissionais da Saúde e Usuários.

 

BAIXAR ARQUIVO

 

 

MANUAL OPERACIONAL PARA APLICAÇÃO DO ESCORE PEDIÁTRICO DE ALERTA (EPA).

Autores da PT/T: THAIANE DE LIMA OLIVEIRA (Egressa). Juliana de Oliveira Freitas Miranda (Orientadora e Docente do MPE-UEFS).
Manual Operacional para Aplicação do escore Pediátrico de Alerta (EPA). Objetivo descrever as orientações sobre a aplicação, o preenchimento e o fluxo de ações do (EPA) nas unidades de internamento do Hospital Estadual da Criança, foi construído como um dos produtos da dissertação de mestrado “Validade e confiabilidade do Escore Pediátrico de Alerta (EPA) no reconhecimento da deterioração clínica”, um estudo metodológico com desenho transversal, no qual o EPA passou por validação de conteúdo e de teste diagnóstico. O EPA foi desenvolvido a partir de uma ampla revisão de literatura sobre o fenômeno da deterioração clínica pediátrica e sistemas de alerta precoce utilizados mundialmente. A validação de conteúdo do escore envolveu um comitê institucional de 07 profissionais com formação e vasta experiência em pediatria clínica (enfermeiros, médicos e fisioterapeuta) e um comitê de especialistas com 12 experts das áreas de ensino, pesquisa e/ou assistência em saúde da criança. O EPA alcançou Índice de Validade de Conteúdo de 0,97, sendo considerado de fácil linguagem, boa estrutura e apresentação, contemplando indicadores relevantes para mensuração da deterioração clínica pediátrica e aplicável ao contexto do estudo. A validade e confiabilidade do EPA no reconhecimento da deterioração clínica foram medidas a partir de um estudo de teste diagnóstico baseado nas recomendações do Quality Assessment of Diagnostic Accuracy Studies. O EPA apresentou sensibilidade de 73,6%, especificidade de 95,7%, valor preditivo positivo de 83%, valor preditivo negativo de 92,7, área sob a curva ROC de 93,6%, probabilidade pós-teste positivo de 77,8%, Eficiência do teste de 87,8%, Kappa de 0,946. O instrumento foi considerado válido, útil, eficiente, confiável e aplicável no reconhecimento da deterioração clínica no cenário estudado. Associado ao EPA foi construído, em conjunto com as coordenações de enfermagem e médicas das unidades pediátricas, o algoritmo de cuidados vinculado ao instrumento a fim de direcionar a equipe no gerenciamento da deterioração clínica pediátrica.  O manual está organizado em três partes: 1. Orientações para aplicação do EPA, 2. Preenchimento do EPA e 3. Fluxo após classificação do EPA. O item 1 contempla a descrição do ambiente para avaliação da criança e aplicação do escore. Sobre esse processo, orienta-se detalhadamente como cada indicador clínico deve ser avaliado, padronizando a aplicação do instrumento e minimizando possíveis vieses de aferição.  No item 2 está descrito a forma de preenchimento do EPA. O item 3 orienta sobre o fluxo de ações após classificação do EPA, ou seja, como proceder após obter a pontuação final do instrumento, com possibilidade de classificação dos pacientes por cores, segundo sinais de gravidade. Dessa forma, o Manual preenche os requisitos para subsidiar a implantação do EPA no hospital de forma sistematizada, para o reconhecimento precoce da deterioração clínica e intervenções oportunas a fim de prevenir complicações associadas. O EPA é uma ferramenta inovadora, sendo o segundo escore pediátrico de alerta validado no Brasil. A ferramenta confere ao enfermeiro uma maior autonomia e empoderamento pautado em um conhecimento científico sólido. Além disso, está vinculado a um algoritmo de cuidados que direciona ações de apoio e melhora a tomada de decisão do enfermeiro em momentos críticos junto à equipe multidisciplinar. Sendo assim, o Manual operacional, a medida em que sistematiza a aplicação e o fluxo de ações do EPA, auxilia e sustenta a avaliação clínica do enfermeiro e pode promover melhorias nos cenários de cuidado da criança e do adolescente hospitalizado. Ressalta-se que esse material produto técnico científico, possibilitou em 2019 e 2020 também a autoria de 2 artigos científicos, 3 capítulos de livro.


BAIXAR ARQUIVO





Recomendar esta página via e-mail: